Um espaço de aprendizagem

Posts by Aster

Que tal usar artigo/pronome/final de palavra para descrever conjuntos de linguagem?  1

Versão em áudio (não inclui os links do final da postagem)


ze/eld/e | ze é artigo: vi ze Aster ontem. | elz é pronome: elz estava no mercado. | e é flexão/terminação: elz é ume escritore?

o sistema a/p/f é prático • apenas 3 elementos definem quase tudo • a/ela/a ocupa menos caracteres do que ela/dela

o sistema a/p/f é inclusivo • quem usa o pronome éli é linde ou lindi? É possível que cada pessoa escolha! • quer usar le/elu/u, e/ele/e, -/ela/a, mi/iau/i? Você pode!

o sistema a/p/f foi pensado para a língua portuguesa • linguagem pessoal vai além de pronomes • contrações como dile e nelu não precisam ser apontadas separadamenteque tal se informar? • visite asters.work/apf.html para saber mais • ajude a normalizar a/p/f usando este formato em sues perfis e introduções

Ei, você ainda usa pronome/d + pronome como forma de expressar linguagem? Que tal especificar suas preferências em um nível um pouco maior?

Além desta vantagem, você ajuda pessoas com conjuntos de linguagem menos óbvios, nos ajudando com o trabalho de repassar essas informações.

Esse é o tipo de informação que pode virar “senso comum” – assim como a ideia do final de palavra e ser adequado como genérico – desde que não seja descartada.

Esse é o tipo de esforço que vai ficar cada vez menor desde que dê pra contar com o apoio da comunidade.

Links com mais informações: Use a/p/f | Links sobre neolinguagem, conjuntos de linguagem e linguagem genérica

Esta postagem em outros lugares: Instagram | Tumblr

Presumir gênero é inerentemente antitrans?  0

Presumir gênero é inerentemente antitrans?

Aviso de conteúdo: Esta é uma postagem sobre presunção de gênero. Ela é contra a presunção de identidades de gênero, mas como o público-alvo são pessoas que se acham justificadas em presumir gênero, ela menciona exemplos que podem machucar quem lida com disforia de gênero ou com questões similares.

Read more

Alguns termos cunhados em 2023  2

Boas vindas ao quarto ano seguido de postagens que apresentam certas identidades que foram cunhadas no ano que recém passou!

Como sempre, esta é apenas uma pequena parcela do que o ano de 2023 teve a oferecer em relação a cunhagens. Epikulupu, neopronouns e ryanyflags são alguns exemplos de Tumblrs que publicaram uma porção de cunhagens novas durante o ano, enquanto r/XenogendersAndMore e LGBTQIA+ Wiki são alguns exemplos de lugares de participação coletiva onde vários termos são publicados.

Também quero ressaltar novamente que o advento de terminologia mais específica não tem o objetivo nem de obrigar pessoas a largarem os rótulos que já usam, nem de obrigar pessoas a adicionarem novos termos às suas listas e nem de colocarem termos mais comuns ou gerais como “ultrapassados”. Para saber mais sobre isso, há dois textos mais antigos por aqui que já tratam desse assunto: “Por que usar [y] ao invés de [x]?”A culpa des excluídes.


Retângulo composto por nove losangos, considerando que cinco deles estão cortados por irem além do retângulo. Suas cores, de fora para dentro, são verde azulada, verde azulada escura, cinza azulada, roxa escura, lavanda clara, púrpura, azul, verde água e cinza clara. A parte lavanda é proporcionalmente maior do que as outras.

Bandeira fictopersonen

Fictopersonen

O primeiro termo desta lista foi cunhado em 3 de fevereiro por epikulupu no Tumblr a pedido de uma pessoa anônima.

Ele é definido como um gênero relacionado à personalidade de ume personagem fictície.

Ficto tem relação com ficcional, enquanto personen provavelmente se refere à palavra pessoas na língua alemã.


Aviamasculine

Onze faixas horizontais do mesmo tamanho, nas cores rosa, rosa avermelhada, roxa, púrpura, azul, verde água, azul, púrpura, roxa, rosa avermelhada e rosa.

Bandeira aviamasculina

Este termo foi cunhado em 5 de abril por Reign, mogai-sunflowers no Tumblr, a pedido de Atticus-Kirby, fagdykefrank na mesma rede.

Ele se refere a um gênero masculino da mesma forma que pássaros experienciam masculinidade. Isso porque é comum que pássaros “machos” sejam chamativos e/ou coloridos e tentem chamar a atenção de parceires em potencial por meio de danças e cantos.

O termo original é aviamasc, e pode ser viável utilizá-lo assim na lusosfera também, mas decidi por traduzi-lo utilizando uma forma mais completa do sufixo. Desta forma, seu final de palavra é flexível: uma pessoa seria aviamasculina, um grupo seria aviamasculino, etc.


Gênero-ponte, pontegênero ou ponte

Em 17 de abril, Nil (kitgay em write.as) publicou um texto detalhando o que este xenogênero cobre. Ele pode ser lido na íntegra aqui, e acredito que dê pra resumir alguém que possui esta identidade de gênero como:

  • Alguém cuja identidade de gênero possui, está aberta a construir ou é composta por “uma ponte” que atravessa ou vem de outras experiências de sua vida, como neurodivergência, orientação ou regionalidade, por exemplo;
  • Alguém que percebe que a própria identidade de gênero contém pontes entre seus gêneros;
  • Alguém cujo gênero é relacionado com uma ou mais pontes reais ou imaginárias em relação a suas estruturas, seus materiais, suas cores ou afins;
  • Alguém que se apresenta para o mundo de forma aberta à possibilidade de relacionar sua identidade de gênero com pontes.

Alguém não precisa cumprir todos estes parâmetros para se dizer gênero-ponte; só há a necessidade de associar de alguma forma a identidade de gênero com alguma forma de ponte, sendo os itens acima alguns exemplos de como atingir isso.


Gênero-baleia

Theo

Portanto, é um termo que pode abranger praticamente qualquer gênero que tenha a ver com baleias, como um gênero grande como uma baleia, ou que lembra sons que baleias fazem.


Retângulo composto por três faixas horizontais do mesmo tamanho, nas cores amarela, creme e amarela. Há um girassol estilizado no centro da faixa creme.

Bandeira méstrica

Méstrique

Este termo descreve qualquer forma de atração, relacionamento, orientação ou afins que envolvam ao menos uma pessoa não-binária. Ele foi cunhado em 4 de julho por Delta, the-delta-quadrant no Tumblr.

Méstrique é uma resposta a diamórique, um termo juvélico que foi feito para centralizar pessoas não-binárias. Uma pessoa não-binária pode chamar qualquer atração que tem de diamórica, e qualquer relacionamento envolvendo ao menos uma pessoa não-binária pode ser chamado de diamórico, mas pessoas binárias (as que são sempre, completamente e somente homens ou sempre, completamente e somente mulheres) não podem se dizer diamóricas. No entanto, uma pessoa binária que sente atração por pessoas não-binárias pode chamar tal atração de méstrica.

Para facilitar a explicação da diferença entre méstrique e outros termos juvélicos que envolvem pessoas não-binárias, vou usar as seguintes siglas:

  • NBaNB descreve pessoas não-binárias atraídas por pessoas não-binárias.
  • BaNB descreve pessoas binárias atraídas por pessoas não-binárias.
  • NBaB descreve pessoas não-binárias atraídas por pessoas binárias.
  • NB/NB descreve um relacionamento envolvendo duas pessoas não-binárias.
  • NB/B descreve um relacionamento envolvendo uma pessoa não-binária e uma pessoa binária.

(Não existem termos específicos para relacionamentos envolvendo mais de duas pessoas, e portanto fica a critério de cada ume que termos se aplicam a si dentro de um polículo.)

Enfim:

  • Embinárique (enboric) descreve atração de qualquer pessoa LGBTQIAPN+ por pessoas não-binárias.
    • Atração NBaNB pode ser descrita como embinárica.
    • Atração BaNB pode ser descrita como embinárica.
    • Atração NBaB não deve ser descrita como embinárica.
    • De forma geral, este termo não parece ter sido feito para descrever relacionamentos.
  • Enebeane (enbian) descreve atração/relacionamentos entre duas pessoas não-binárias.
    • Atração NBaNB pode ser descrita como enebeana.
    • Atração BaNB ou NBaB não deve ser descrita como enebeana.
    • Relacionamentos NB/NB podem ser descritos como enebeanos.
    • Relacionamentos NB/B não devem ser descritos como enebeanos.
  • Diamórique (diamoric) descreve relacionamentos envolvendo ao menos uma pessoa não-binária ou a atração de uma pessoa não-binária que considera sua não-binaridade relevante.
    • Atração NBaNB pode ser descrita como diamórica.
    • Atração BaNB não deve ser descrita como diamórica.
    • Atração NBaB pode ser descrita como diamórica.
    • Relacionamentos NB/NB podem ser descritos como diamóricos.
    • Relacionamentos NB/B podem ser descritos como diamóricos.
    • Em adição a isso, o termo “orientações diamóricas” é ocasionalmente utilizado para falar sobre orientações e termos juvélicos que envolvem atração vinda de pessoas não-binárias, como enebeane, mártique, feminamórique e escapolitiane.
  • E, finalmente, méstrique (mestric) descreve qualquer relacionamento, orientação ou atração envolvendo alguma pessoa não-binária.
    • Atração NBaNB pode ser descrita como méstrica.
    • Atração BaNB pode ser descrita como méstrica.
    • Atração NBaB pode ser descrita como méstrica.
    • Relacionamentos NB/NB podem ser descritos como méstricos.
    • Relacionamentos NB/B podem ser descritos como méstricos.
    • Em adição a isso, o termo “orientação méstrica” pode ser usado para descrever quaisquer orientações e termos juvélicos que envolvem especificamente atração por e/ou vinda de pessoas não-binárias.

O termo mestric foi inspirado em Mnestra/Mestra da mitologia grega, que ganhou a habilidade de trocar de forma do deus Poseidon. A tradução, méstrique, possui final de palavra flexível: um símbolo seria méstrico, alguém que usa i como final de palavra seria méstriqui e por assim vai.

A bandeira méstrica usa a cor amarela para simbolizar não-binaridade e um girassol para representar alegria.


Retângulo dividido em cinco faixas horizontais do mesmo tamanho, nas cores violeta, lavanda, amarela clara, lavanda e roxa escura. No centro da faixa central, há um círculo - também amarelo claro - que se expande por cima das faixas adjacentes, o qual contém um halo e cinco estrelas em volta do halo, na cor branca com contornos pretos.

Bandeira angelissexo/angeligenital

Angeligenital ou angelissexo

Em 15 de agosto, queer-coining no Tumblr postou uma resposta à pergunta de uma pessoa anônima que pediu uma bandeira para o termo. A bandeira foi postada em 27 de agosto.

Os termos em si se referem a alguém que quer ter genitália/sexo angelical. É um termo altersexo do mesmo tipo que transgenital, angenital e genital-fluxo, por exemplo.

Esta identidade provavelmente foi cunhada com base na ideia de que anjos não possuem genitália ou possuem genitália que não é humana, visto que não é uma espécie que precisa se reproduzir de acordo com várias histórias produzidas sobre a espécie.


Retângulo dividido em seis faixas horizontais de tamanhos ligeiramente diferentes, nas cores marrom, marrom clara, bege, salmão, vermelha e roxa escura.

Bandeira queertina

Queertine

Em 12 de dezembro, queer-coining publicou bandeiras e definições de queertine, que se refere àquelus cujas identidades queer são influenciadas por serem latines (ou seja, por serem ou terem ascendência da América Latina). É possível dizer que este termo é uma forma de identidade vesil.

Queertine tem final de palavra flexível. Uma pessoa é queertina, um grupo é queertino, etc.


Virnorromântique

Retângulo composto por sete faixas horizontais do mesmo tamanho, nas cores roxa escura, roxa, roxa clara, rosa clara, rosa, vermelha acinzentada e vinho.

Bandeira virnorromântica

Este termo foi cunhado por lovesicklie no Tumblr em uma postagem feita em 14 de dezembro. Sua base foi um pedido feito no Tumblr the-mogai-request-graveyard publicado em 2 de dezembro por Autumn, autumnmoon-morrison no Tumblr. O pedido em si continha uma definição sem qualquer menção a possíveis nomes ou símbolos para a identidade.

Uma pessoa virnorromântica – o final de palavra é flexível, assim como acontece em geral com orientações românticas – sente atração romântica facilmente por conta de neurodivergência e/ou trauma. No sentido de que tem quedas por praticamente qualquer pessoa em volta de sua idade que demonstra bondade para ela e compatibilidade com suas preferências.

Esta orientação não especifica gênero, então é tanto possível que seja uma orientação múlti que não depende de identidade de gênero quanto uma orientação “combinável” com outras (hétero, tóren, bi, etc). É, de qualquer forma, uma neuro-orientação.


Retângulo composto por cinco faixas iguais do mesmo tamanho, nas cores verde, verde clara, amarela, amarela clara e branca.

Bandeira enebaorientada

Enba- (possíveis traduções: emba, eneba)

A pedido de uma pessoa anônima, Dexter, neopronouns no Tumblr, cunhou a orientação enba e postou sobre ela e sua bandeira em 28 de dezembro. O termo descreve alguém que sente atração por pessoas não-binárias, de forma que explicitamente não se refere à identidade de gênero de quem possui tal atração.

Enba vem de enban, um termo para descrever pessoas não-binárias adultas (o qual eu adaptaria como embã ou enebã). A orientação é para ser equivalente a home/ma e mulhe/woma; por isso a ausência da última letra. A bandeira também imita algumas das bandeiras de tais orientações.

Como o termo é quase que uma palavra usada para descrever pessoas não-binárias, pode ser uma boa ideia tentar usá-lo com sufixos de orientações quando possível, como em enbaorientade, embarromântique ou enebassexual.


Retângulo composto por cinco faixas horizontais, os quais possuem as cores índigo, ameixa, vermelha clara, bege e laranja clara.

Bandeira saliliana

Saliliane

Também no dia 28 de dezembro, Lacey, haunted-thing no Tumblr, cunhou salilian, uma palavra para descrever lésbiques inconformistas de gênero.

A cunhagem foi inspirada por laveniane, que descreve turianes (homens gays) inconformistas de gênero.

Saliliane é uma palavra com final de palavra flexível. Uma lésbica seria saliliana, enquanto um lésbico seria saliliano. (Há pessoas que, mesmo tendo alguma associação com mulheridade, não usam a/ela/a, por conta de não-binaridade e/ou inconformismo de gênero. Leia mais sobre não-conformidade de linguagem aqui.)


Como quatro destes termos foram cunhados em dezembro, que tal uma lista rápida com mais termos, um por mês?

  • Janeiro: humor-fluxo, uma forma de gênero-fluxo que varia com base no humor;
  • Fevereiro: poetauródique, alguém cujo gênero é relacionado a ter uma aura de tragédia poética;
  • Março: turiknight (ou turicavaleire), um gênero relacionado a ser homem com atração por homens e ume cavaleire;
  • Abril: deceptóxique, alguém cujo gênero é relacionado a parecer mais perigose do que realmente é;
  • Maio: myceriane (ou miceriane), um neurogênero relacionado a fungos de forma que é vasto, interconectado, relacionado a ciclos naturais, além da compreensão e só entendível depois de deixar conceitos mundanos para trás;
  • Junho: sistema de gêneros shroom, o qual é majoritariamente composto por gêneros relacionados a outros gêneros mas de forma que só podem ser conceitualizados como fungos;
  • Julho: bitgênero, 1-10% de um gênero enquanto o resto é outra(s) coisa(s), de forma similar a nanogênero/demigênero;
  • Agosto: eteriane, alguém que é veldiane e urânique, e talássique, alguém que é lésbique e netúnique;
  • Setembro: chaosoul, um gênero relacionado com a alma da pessoa e com caos;
  • Outubro: cenilunar, uma identidade relacionada com feminilidade e/ou com ser mulher ou que está indo em direção a isso, e cenitidal, uma identidade relacionada com masculinidade e/ou com ser homem ou que está indo em direção a isso;
  • Novembro: luminaeiane, um termo juvélico para pessoas transfemininas atraídas por pessoas transfemininas, e estariane, um termo juvélico para pessoas transmasculinas atraídas por pessoas transmasculinas;
  • Dezembro: gênero-alegria, um gênero que tem a sensação de ser feliz e alegre; um gênero relacionado a euforia de gênero e felicidade; um gênero que tem a sensação de ser morno como um dia de sol.

Aqui terminam os destaques de 2023. Que eles tenham ajudado a descobrir termos novos para considerar!

Termos de identidades de gênero que remetem à infância  0

Bandeiras barnean, fleurlingen, gênero-menino, gênero-menina, emboyinmaic e gênero-fofo.

Aviso de conteúdo: A introdução desta postagem e o segundo parágrafo do primeiro item mencionam brevemente pedofilia e abuso sexual de menores de idade. Não há exemplos ou detalhes gráficos, mas quem preferir pode querer pular tais seções.


 

O tema do último Rodízio NHINCQ+ foi infância, então tive a ideia de fazer uma postagem reunindo termos para identidades não-binárias que remetem ao assunto. Infelizmente, não a terminei dentro do prazo, mas ainda assim quis terminar e postar.

Por ser uma forma de trollagem popular, quero ressaltar que identidades de gênero de qualquer tipo não são justificativas para realizar quaisquer ações abusivas. Alguém com uma identidade de gênero relacionada a ser criança não necessariamente tem atração por crianças e, independentemente disso, não pode usar sua identidade como desculpa para tentar ter qualquer relação inapropriada com menores de idade. Pessoas dizendo que quaisquer facetas de suas identidades dão algum tipo de permissão para cometer abuso e/ou violência contra outres com menos poder e ter isso respeitado estão ou querendo se aproveitar de pessoas desinformadas ou tentando se aproveitar de pânico moral para virar grupos de pessoas contra pessoas marginalizadas.

Enfim, aqui estão alguns termos que podem ser usados por pessoas de quaisquer idade para descrever que seus gêneros passam sensações de características relacionadas com ser criança. A maioria deles são xenogêneros, então recomendo entender o conceito antes de ler as definições nesta página.

Read more

Quer incluir pessoas não-binárias na língua portuguesa? Priorize o respeito à linguagem pessoal!  0

Bandeira neopronominal (de quem usa neopronomes)


Há uma certa tendência de falar sobre “linguagem neutra” ou “linguagem não-binária” em círculos preocupados com questões de justiça social atualmente. Uso os termos entre aspas porque eles tendem a ser usados mais ou menos como substitutos para neolinguagem: isto é, a existência de palavras que se encontram fora dos gêneros gramaticais impostos pela língua padrão.

Geralmente essas discussões são em torno de usar alguma forma de neolinguagem como linguagem neutra/genérica, que aqui vou definir como a linguagem que deve ser utilizada para pessoas/seres cujos conjuntos de linguagem pessoal são desconhecidos e grupos onde presume-se que membres usem conjuntos de linguagem pessoal diferentes. Então, por exemplo, ao invés de alguém usar o/ele/o como linguagem neutra/genérica, como na oração “aqueles alunos chegaram atrasados“, alguém poderia usar e/elu/e, como em “aquelus alunes chegaram atrasades, i/il/i, como em “aquils alunis chegaram atrasadis, ou qualquer outro conjunto envolvendo neolinguagem.

(Conjunto de linguagem se refere a uma espécie de gênero gramatical, mas é um termo mais flexível por ser compatível com quem quer misturar gêneros gramaticais diferentes. Conjunto de linguagem pessoal é um conjunto de linguagem que deve ser utilizado para se referir a alguém, e então é possível dizer que tal alguém “usa” certo conjunto ou certos conjuntos de linguagem. Mais sobre isso aqui, aqui ou aqui.)

A utilização de neolinguagem como forma de linguagem neutra/genérica é bem-vinda por muites, porque esta combate a ideia de que um conjunto de linguagem geralmente associado com masculinidade e/ou com ser homem (o/ele/o) deva ser o padrão, e também por oferecer uma alternativa mais fácil à inclusão de todes sem que tenham que ser feitos contornos para que o uso de a/ela/a ou de o/ele/o seja mais justificado (como em “todas as pessoas“, “minhas amizades” ou “alguém que trabalha com pintura” ao invés do uso mais problemático de “todos“, “meus amigos” ou “algum pintor“). A integração de um gênero gramatical que se propõe a ser neutro dentro da língua padrão será um passo à frente tanto em relação a facilitar essa questão quanto em relação a fornecer um conjunto de linguagem pessoal visto como neutro mas amplamente aceito, o qual pode assim ser usado por pessoas não-binárias que só querem ser referidas de qualquer forma neutra/genérica ou para se referir a crianças que ainda não desenvolveram suas próprias preferências de linguagem pessoal de forma que não impõe a elas conjuntos de linguagem binários de forma geralmente cissexista e diadista.

Porém, o foco único em padronizar um gênero gramatical neutro muitas vezes deixa de lado a necessidade mais importante de não maldenominar pessoas cisdissidentes e/ou inconformistas de linguagem. De fornecer o respeito básico do uso de pronomes, artigos e outras partes de um conjunto de linguagem que cada pessoa quer que sejam utilizades para si, assim como quem usa a/ela/a ou o/ele/o e possui certa aparência aceitável dentro da sociedade cissexista tem seus conjuntos de linguagem respeitados.

Concordo que o uso de o/ele/o como linguagem neutra/genérica deva ser evitado. Porém, também não acho que isto seja um problema maior do que outras expressões problemáticas comuns no dia-a-dia, como o uso constante de xingamentos capacitistas de forma extremamente casual, de termos racistas para descrever pessoas, culturas, grupos étnicos ou afins, da utilização de termos neutros para descrever grupos marginalizados como gorde ou gay como descrições negativas e por assim vai. Eu defendo o combate a qualquer forma de linguagem opressiva, mas acho ainda mais importante evitar e acabar com formas de violência mais diretas contra pessoas marginalizadas.

Só que o que vejo em debates acerca de qual deve ser o novo gênero gramatical neutro ou se deve existir um novo gênero gramatical neutro é uma falta de consideração com pessoas que dependem de neolinguagem não (só) como uma forma de expressar inclusividade, mas (também) como uma forma de ter conjuntos de linguagem com os quais não se sentem maldenominadas; de ter conjuntos de linguagem que sentem que as representam quando os conjuntos dentro da língua padrão se mostram insuficientes.

Talvez isso pareça fútil para pessoas binárias – especialmente cis – as quais possuem gamas enormes de formas de encontrar validação interna e externa para suas identidades de gênero. Porém, no caso de pessoas não-binárias, muitas vezes a linguagem pessoal é uma das únicas formas que temos para buscar euforia de gênero ou combater inseguranças em relação a não sermos vistes da forma certa. E maldenominação não deixa de poder machucar só porque uma pessoa trans está deixando de ser referida por um conjunto como ê/elu/e ou ly/ily/y ao invés de a/ela/a ou o/ele/o.

Enfim, quando alguém diz que deve existir apenas um conjunto de linguagem válido que inclui neolinguagem e que o resto das possibilidades não presta, isso é um ataque muito mais direto a pessoas inconformistas de linguagem do que o uso de o/ele/o como linguagem neutra/genérica. Quando alguém diz que a única importância da neolinguagem é a formação de um gênero gramatical neutro a ser incluso na norma padrão da língua portuguesa, isso exclui de forma bem mais direta a existência de pessoas que usam neolinguagem em seus conjuntos de linguagem pessoais do que o uso de o/ele/o para se referir a grupos com conjuntos de linguagem pessoais diferentes.

Pessoas não-binárias que não usam (apenas) a/ela/a, o/ele/o, -/-/- ou algum conjunto específico envolvendo neolinguagem já existem. Eu estou entre essas pessoas, assim como outres que conheço. Nós não vamos deixar de existir quando/se houver um gênero gramatical neutro incluso na língua padrão, até porque já nos identificamos usando conjuntos de linguagem pessoais que diferem dos padrões da língua sem aguardar a permissão de ninguém. Nem todo mundo quer expressar neutralidade e/ou indeterminação com a neolinguagem inclusa em seu(s) conjunto(s) de linguagem pessoal(is). Mesmo quem quer expressar tais características pode não estar confortável com os elementos do conjunto escolhido como neutro por qualquer entidade.

A diversidade dos conjuntos que contém neolinguagem não é um problema teórico que pode ser resolvido caso seja decidido um gênero gramatical neutro na língua padrão o mais rápido possível. É uma realidade que precisa ser considerada em qualquer proposta de reavaliação de como se ensina a língua portuguesa de forma que inclui neolinguagem.

Antes de querer debater sobre a inclusão de um gênero gramatical oficial novo, é importante levar em consideração a questão de não impor qualquer conjunto de linguagem em quem não quer ser referide com o uso de tal conjunto, e isso inclui qualquer conjunto de linguagem visto como neutro/genérico. Se a proposta é incluir melhor pessoas não-binárias na língua, é importante não agir como se apenas um dos conjuntos de linguagem usados pelo grupo existisse.

Entendo querer debater sobre qual conjunto é mais adequado como neutro/genérico, levando em consideração questões como a facilidade de ensinar ou de entender o conjunto e o quanto ele parece visualmente ou sonoramente algo “mais masculino” e/ou “mais feminino” do que neutro. Tais discussões podem ser interessantes e saudáveis. Porém, a partir do momento onde são circulades mentiras sobre o quanto outros conjuntos são inacessíveis e/ou ataques/chacota contra elementos neolinguísticos usados por outras pessoas como parte de seus conjuntos de linguagem pessoal, isso deixa de ser apenas uma discussão teórica sobre a inclusão de um gênero gramatical neutro na língua padrão para também impor de forma violenta quais tratamentos pessoas não-binárias podem ou não podem aceitar para si mesmas. E isso a sociedade cissexista já faz; não precisamos de “aliades/camaradas bem intencionades” para isso.