Um espaço de aprendizagem

Posts by Aster

Alguns termos cunhados em 2021  0

Imagem composta por várias bandeiras, em várias rotações e tamanhos, como se fossem uma pilha de papéis.

Bandeiras, desde o canto superior esquerdo, seguindo no sentido horário e terminando no centro: nonangi, gênero-humano, inmo(ssexual), diomni, plurabro, gênero-diário, ambix, diatraída e mavári. As bandeiras inmo e diomni usadas são diferentes das que aparecem durante a postagem.


Então, né, no ano passado, eu tinha até começado a reunir termos cunhados durante o ano para que eu não tivesse que ir correndo atrás deles na última hora e demorar demais com a postagem.

Porém, por conta de vários ocorridos na minha vida pessoal, eu acabei parando de juntar tais termos em abril, e quando me organizei o suficiente para poder postar aqui, já não estávamos mais no início do ano.

E então… veio junho. O mês do orgulho. Então pensei, por que não fazer esta postagem agora? As únicas coisas que eu não queria deixar de fazer também eram postar algo em meu blog pessoal, além de postar 60 termos na conta @termos em colorid.es, sendo que esta última meta está em progresso.

Enfim, aqui vai uma seleção de termos para orientações e identidades de gênero que foram cunhadas no ano passado! Os termos traduzidos virão primeiro, e, caso os termos originais sejam diferentes, eles aparecerão entre parênteses em seguida.


Subtipos da orientação abro

Retângulo composto por 7 faixas horizontais, nas cores verde, verde clara, branca, preta, branca, rosa clara e rosa. As faixas brancas possuem a metade do tamanho das outras faixas.

Bandeira nulabro

No dia 8 de março, Dexter (neopronouns no Tumblr) postou uma série de termos específicos a pessoas cuja atração é fluida, mas com um aspecto fixo. São estes:

  • Enabro: Alguém abro que sempre sente atração por identidades não-binárias;
  • Feeabro (finabro): Alguém abro que sempre sente atração por gêneros femininos;
  • Homabro (manabro): Alguém abro que sempre sente atração por homens/gêneros relacionados;
  • Meeabro (minabro): Alguém abro que sempre sente atração por gêneros masculinos;
  • Monabro: Alguém abro que sempre sente atração por um gênero. A postagem não explica se é alguém que sempre se atrai por um gênero específico e cuja atração por outros gêneros que vai e volta, ou se é alguém cuja atração é sempre por um gênero só que ela muda de gênero em gênero, mas considerando plurabro, acredito que a intenção tenha sido a segunda coisa;
  • Mulhabro (womabro): Alguém abro que sempre sente atração por mulheres/gêneros relacionados;
  • Neeabro (ninabro): Alguém abro que sempre sente atração por gêneros neutros;
  • Nulabro (nullabro): Alguém abro que é sempre a-espectral;
  • Plurabro: Alguém abro que sempre sente atração por múltiplos gêneros.

Ambix, angix

Assim como o próprio Roswell disse em sua cunhagem, é comum que pessoas caracterizem androginia e ambiguidade como a mesma coisa. Por conta disso, ele pensou nos seguintes termos, postados em 25 de abril:

  • Ambix: Um gênero ambíguo, mas que não é andrógino.
  • Angix: Um gênero andrógino, mas que não é ambíguo.
Retângulo composto por 5 faixas verticais, nas cores roxa, roxa clara, rosa, roxa clara e roxa.

Bandeira angix

Neste contexto, androginia é uma derivação/mistura de feminilidade e masculinidade, enquanto ambiguidade é algo incerto e enigmático que pode ser interpretado de várias formas.

Assim, algumas pessoas podem ter um gênero que é tanto ambíguo quanto andrógino, porém há pessoas cuja ambiguidade não tem necessariamente qualquer proximidade com gêneros binários ou com qualidades relacionadas a eles, assim como pessoas cuja androginia não tem nada de ambíguo.


Diatraíde

Retângulo composto por sete faixas horizontais, nas cores amarela clara, laranja clara, roxa, roxa escura, verde, azul e rosa. A faixa central possui o dobro do tamanho das outras faixas.

Bandeira diatraída

Diatraíde (tradução de diattracted) é alguém que sente atração por todos os gêneros de alguma forma caso esteja contando com todos os seus tipos de atração, mas que talvez não chegue a ser pan/omni/etc. em todos os seus tipos de atração.

Por exemplo:

  1. Uma pessoa que é pansexual, mas que é arromântica, analternativa e afins, que não é atraída por ninguém de qualquer forma que não seja a sexual, pode se dizer diatraída;
  2. Uma pessoa torenromântica que só não sente atração romântica por mulheres que também é feminassexual (ou seja, só sente atração sexual por mulheres) pode se dizer diatraída;
  3. Uma pessoa que só sente atração sexual por homens, romântica por pessoas que não são homens ou mulheres e queerplatônica por todos os gêneros menos algumas identidades não-binárias pode se dizer diatraída;
  4. Uma pessoa que sente atração por todos os gêneros em todas as suas orientações pode também se dizer diatraída.

O termo foi também cunhado por Dexter, e a versão arquivada de sua postagem, feita no dia 29 de abril, pode ser encontrada aqui.

É importante não confundir este termo com a orientação di, que é para pessoas que só sentem atração exatamente por dois gêneros.


Gênero-diário

Retângulo composto por uma série de losangos, todos eles um em volta do outro até que os maiores passam a sair da imagem. O losango central menor é preto, o que fica em volta dele é marrom escuro. Este é contornado por outro losango preto, o qual é contornado por um losango marrom. Em volta deste há outro preto, seguido por um marrom claro, outro preto, um bege e, finalmente, os cantos são pretos, só aparecendo como pequenos triângulos neste ponto.

Bandeira gênero-diário

Este termo, que é uma tradução de genderjournal, foi cunhado por Jesper (amerafluid no Tumblr) em 1º de março. É uma identidade de gênero que descreve uma multiplicidade de gêneros guardada como se tais gêneros fossem páginas num diário. Quando parece que um gênero não se aplica mais à pessoa, tal gênero é “arrancado” da mesma forma que uma página seria.

Esta é mais uma forma de descrever multiplicidade de gêneros, assim como álbum de gêneros, polifractal de gêneros e afins. Porém, esta descrição parece dar ênfase na coleção de gêneros e em algo que pode ser ou uma fluidez que não volta atrás (como mutare) ou um processo constante de autodescoberta.

Caso alguém não conheça os termos que acabei de citar, eles podem ser encontrados aqui.


Diomni

Retângulo essencialmente composto por 5 faixas horizontais do mesmo tamanho e uma faixa diagonal preta que vem do terço superior direito ao terço inferior esquerdo da bandeira. À esquerda da faixa diagonal, as cores estão na ordem rosa clara, rosa, roxa escura, azul e azul clara, mas a ordem das cores se inverte à direita da faixa diagonal. A faixa central permanece da mesma cor dos dois lados.

Uma das bandeiras diomni

Diomni, um termo que pode ser usado assim ou reduzido para dioni para quem não gosta de ficar com a letra M extra, descreve uma pessoa o(m)nissexual e o(m)nirromântica que possui preferências de gênero diferentes em sua atração sexual e romântica.

Por exemplo, ainda que sinta atração por todos os gêneros em ambas estas orientações, uma pessoa diomni pode preferir ter relacionamentos românticos com pessoas não-binárias, e se atrair sexualmente mais frequentemente por homens do que por pessoas de outros gêneros.

Pessoas que querem usar um sufixo para esta orientação, mas que não querem priorizar seu aspecto sexual ou romântico, podem usar termos como dioniatraíde ou diomniorientade.

Este termo é creditado a Morgan Finn, Dümpasepäkre na rede de wikis Fandom. Seu artigo na (atualmente deletada) LGBTA Wiki foi originalmente postado no dia 25 de agosto.


Gênero-humano

Retângulo composto por nove faixas horizontais do mesmo tamanho. A ordem das cores é amarela, branca, amarela, branca, verde clara, branca, laranja, branca e laranja.

Bandeira gênero-humano

Uma pessoa anônima cunhou gênero-humano (genderhuman) em envio(s) para o Tumblr neopronouns. A postagem original com sua definição foi feita em 11 de fevereiro.

O termo descreve uma identidade no espectro agênero onde a humanidade de alguém está no vácuo onde o gênero da pessoa estaria, de forma que humane é praticamente o gênero da pessoa. Pessoas gênero-humano também tendem a sentir (mais) euforia de gênero ao serem chamadas de humanas do que quando termos associados a gêneros específicos são usados para se referir a elas.


Enco

Este termo foi cunhado por mim em 11 de março nesta postagem, mas ei, não é como se esses fossem “os melhores termos do ano”, então não tem problema em ser parcial de vez em quando.

Enfim, sua definição base é a seguinte:

Enco-: Uma orientação para pessoas que só sentem atração por pessoas de certa(s) identidade(s) igual(is) à(s) sua(s), por esta(s) ser(em) identidade(s) marginalizada(s) ou subcultura(s) excluída(s) das culturas dominantes. A pessoa pode também sentir atração por pessoas de identidades parecidas ou que são marginalizadas da mesma forma.

Mais especificidades estão detalhadas na postagem linkada ali em cima, mas esta é basicamente uma orientação que cobre todas as que são do tipo “pessoa trans que não sente atração por pessoas cis”, “pessoa autista que só sente atração por outras pessoas autistas”, e por assim vai. Só que enco não só esconde o fator específico, como também pode ser aplicada a quem só sente atração dentro de certo grupo ainda que não seja necessariamente marginalizado (como uma pessoa gótica que só sente atração por outras pessoas góticas).

Eu ainda não vi ninguém se identificando desta forma, mas como já vi várias pessoas cunhando ou pedindo para saber sobre termos que se encaixam na definição de enco, acredito que seja um termo útil.


Juxári, mavári, proxrel(l)

Eu anotei que esses termos foram publicados no dia 28 de março, mas como as postagens originais no Tumblr plurgai (posteriormente plurgai-archive) foram apagadas, talvez não seja possível provar que tais identidades foram realmente cunhadas em tal data.

Imagem retangular com fundo preto e planeta com um anel, três luas e três estrelas. Os elementos sobre o fundo são compostos por faixas horizontais de diferentes tamanhos nas cores turquesa, laranja clara, marrom avermelhada, verde água e laranja. No meio da faixa laranja clara há um triângulo equilátero branco com uma das pontas para cima.

Bandeira juxári

Juxári/Júxari/Juxari (juxari) é uma identidade de gênero que tem conexão com feminilidade, mas em um plano separado. Não é alinhada com feminilidade de uma forma padrão, e é conectada a uma forma de feminilidade que não é sentida por outras pessoas. Não tem conexão com o gênero mulher e é apenas fracamente conectada com feminilidade comum.

Este termo também pode ser usado como um gênero feminino (no sentido de feminilidade, não de ter a ver com o gênero mulher) alienígena ou de outra dimensão.

Imagem retangular com fundo preto e planeta com um anel, três luas e três estrelas. Os elementos sobre o fundo são compostos por faixas horizontais de diferentes tamanhos nas cores amarela, esmeralda, verde escura, amarela clara e verde. No meio da faixa esmeralda há um triângulo equilátero branco com uma das pontas para cima.

Bandeira mavari

Mavári/Mávari/Mavari (mavari) é uma identidade de gênero que tem conexão com neutralidade, mas em um plano separado. Não é alinhada com neutralidade de uma forma padrão, e é conectada a uma forma de neutralidade que não é sentida por outras pessoas. Não tem conexão com não-binaridade e é apenas fracamente conectada com neutralidade comum.

Este termo também pode ser usado como um gênero relacionado com neutralidade alienígena ou de outra dimensão.

(É esta basicamente a definição, porém não sei se a parte de não ter conexão com não-binaridade faz muito sentido. Talvez seja só no sentido de ser uma identidade de gênero que pareça estar em um plano separado, e portanto separada de certa forma de outras pessoas não-binárias, ou talvez tenha sido uma declaração feita às pressas ao tentar achar um sinônimo apropriado para ser homem/ser mulher que funcione para uma identidade fundamentalmente não relacionada com nada que tenha a ver com isso.)

Imagem retangular com fundo preto e planeta com um anel, três luas e três estrelas. Os elementos sobre o fundo são compostos por faixas horizontais de diferentes tamanhos nas cores salmão, laranja pálida, índigo escura, vinho e vinho escura. No meio da faixa laranja pálida há um triângulo equilátero branco com uma das pontas para cima.

Bandeira próxrel

Próxrel/Proxrel/Proxrell (proxrell) é uma identidade de gênero que tem conexão com masculinidade, mas em um plano separado. Não é alinhada com masculinidade de uma forma padrão, e é conectada a uma forma de masculinidade que não é sentida por outras pessoas. Não tem conexão com o gênero homem e é apenas fracamente conectada com masculinidade comum.

Este termo também pode ser usado como um gênero masculino (no sentido de masculinidade, não de ter a ver com o gênero homem) alienígena ou de outra dimensão.

Estes três termos foram baseados conceitualmente em termos como juxera, proxvir, cenrel e fessari, e os nomes juxári e próxrel também vêm daí. O nome de mavári vem de maverique e censári, mas com as exceções de ambas serem identidades não-binárias e de censári ser um gênero neutro, não há muito em comum entre tais identidades.


Inmo

Retângulo composto por seis faixas horizontais do mesmo tamanho, nas cores rosa clara, preta, rosa, cinza, azul e azul escura. As cores são pouco saturadas.

Bandeira inmossexual (que talvez possa ser usada como bandeira inmo geral, já que não há bandeiras para outros tipos de atração)

O termo inmo foi cunhado com esse nome por ele ser omni de trás para frente. A definição também pode ser considerada “inversa” de certa forma: pessoas inmo sentem atração por mais de um gênero, sem sentirem atração por todos os gêneros, sendo que tal atração é igual para todos os gêneros pelos quais a pessoa sente atração. Ou seja, pessoas inmo não possuem qualquer preferência de gênero.

Ou seja, este termo não só é único por ser definido explicitamente como um termo para pessoas múlti que não sentem atração por todos os gêneros – muites acham que gente poli não podem ter atração por todos os gêneros, mas isso não é necessariamente verdade – mas também por explicitar uma ausência de preferência por gênero, algo comum em pessoas pan mas que não é um fator necessário para que pessoas se identifiquem como tal.

A cunhagem de Inmo foi feita em 13 de abril, por Emberfrost-cat na rede de wikis Fandom.


Nonangi

Retângulo composto por sete faixas horizontais, sendo que a primeira e a última são maiores do que as outras. Suas cores são roxa clara, branca, lilás, cinza escura, lilás, branca e roxa clara.

Bandeira nonangi

Nonangi – e eu vou omitir aqui o nome alternativo do termo, que é baseado nas versões originais de nonvir/nonera que a pessoa que cunhou pediu para que não fossem mais usados – foi um termo cunhado por AP do Tumblr Beyond MOGAI Pride Flags, no dia 15 de fevereiro.

Esta junção de non (não) com angi (de andrógine) descreve alguém cujo gênero tem uma forte conexão com androginia, mas que não é andrógine de forma nenhuma. O termo difere de inavire por este precisar de uma conexão com ambas feminilidade e masculinidade, o que pode ocorrer de forma separada, enquanto androginia é uma mistura de ou algo entre essas qualidades (ou mesmo outras qualidades, ocasionalmente).


Obviamente, vários termos são cunhados todo ano. Outros que também foram cunhados em 2021 incluem lovemine, orionemine, sodemine, daleko, solipastelle, eldurgênero, tulipiane, tulim, amato e illusio. E alguns cunhados em 2022 incluem distaregênero, nóstique, osci, aceactial e zódium.

Mesmo assim, espero que quem esteja lendo esta postagem tenha apreciado o destaque destas identidades!

Queerspectivas 4: Experiências de fluidez de gênero  0

Queerspectivas: Experiências de fluidez de gênero

Queerspectivas é uma série de transmissões ao vivo (que depois são gravadas e postadas) feitas com o objetivo de pessoas com certas identidades poderem falar sobre suas próprias experiências sem terem que depender de painéis conduzidos por pessoas que não fazem parte do grupo, ou que são voltados a grupos completamente alheios às questões tratadas na transmissão.

Link para assistir no YouTube

Link para assistir no Nextcloud (ou baixar)
Errr… o Nextcloud tá apontando um tamanho de arquivo diferente do meu computador, então avisem se esta versão der problema, ok?

Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Outros links:

Não temos ninguém para transcrever Queerspectivas no momento, mas entre em contato caso você queira fazer isso ou tenha feito uma legenda ou transcrição!

Também é possível se oferecer para participar ou sugerir assuntos neste tópico.

Queerspectivas 3: Não-binaridade e narrativas trans  0

Queerspectivas é uma série de transmissões ao vivo (que depois são gravadas e postadas) feitas com o objetivo de pessoas com certas identidades poderem falar sobre suas próprias experiências sem terem que depender de painéis conduzidos por pessoas que não fazem parte do grupo, ou que são voltados a grupos completamente alheios às questões tratadas na transmissão.

Link para assistir no YouTube

Link para assistir no Nextcloud (ou baixar)

Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Outros links:

Não temos ninguém para transcrever Queerspectivas no momento, mas entre em contato caso você queira fazer isso ou tenha feito uma legenda ou transcrição!

Queerspectivas 2: Experiências aroespectrais  0

Link para assistir no Youtube

Link para assistir no Nextcloud (ou baixar)

Licença: CC BY-NC-SA 4.0

Não temos ninguém para transcrever Queerspectivas no momento, mas entre em contato caso você queira fazer isso ou tenha feito uma legenda ou transcrição!

“E se eu for intersexo?”  0

Bandeira Intersexo

Imagem: Uma bandeira intersexo composta de 5 faixas verticais do mesmo tamanho, nas cores roxa, amarela, branca, amarela e roxa, com três formas parecidas com corações uma por cima da outra no centro da bandeira, sendo a mais de trás (que está mais para cima) azul, a do meio roxa e a da frente/de baixo rosa.

 

Esta é uma pergunta que eu já tive, e uma pergunta que já vi muitas outras pessoas tendo. Como não existem muitos recursos direcionados a isso, eu gostaria de dar minhes opiniões e palpites.

Aviso de conteúdo: Este é um texto direcionado a pessoas que estão questionando ser intersexo, e portanto falo sobre formas que pessoas já descobriram ser intersexo. Isso inclui “tratamentos corretivos” na infância e descrições de características sexuais.

 

 

Por que você quer saber que é intersexo?

Embora isso não faça diferença em relação a alguém ser ou não intersexo, descobrir a própria intersexualidade pode custar dinheiro e tempo, além de poder ser estressante. Procurar ser intersexo por validação externa pode acabar não valendo a pena, especialmente se o fim dessa jornada pode acabar resultando em indeterminação ou em determinação de uma corporalidade perissexo.

Ninguém precisa ser intersexo para:

  • Interagir/conviver com pessoas intersexo;
  • Justificar uma desconexão com o gênero designado ao nascimento;
  • Ser uma pessoa trans;
  • Ser uma pessoa não-binária;
  • Ir a eventos intersexo abertos a públicos gerais;
  • Ajudar coletivos, organizações e outros grupos intersexo.

Sei que muitas pessoas buscam ser intersexo para conseguirem justificar serem trans e/ou não-binárias, então vou reforçar aqui: corporalidade não justifica gênero. Ser intersexo não prova que alguém é não-binárie. Existem pessoas que são do gênero designado ao nascimento, que são de algum gênero binário que não foram designadas ao nascimento e pessoas não-binárias tanto entre pessoas intersexo quanto entre pessoas perissexo. Você não precisa justificar sua identidade de gênero com intersexualidade, e é até provável que isso não funcione.

A maioria das variações intersexo não são vistas como tal pela comunidade médica, já que intersexo é um rótulo social. Tentativas de justificar alguma identidade cisdissidente com corporalidade intersexo vão ser furadas por “não, você é [gênero designado], só tem um probleminha que pode ser resolvido”. É até possível que pensem que ser intersexo faz parte de sua “confusão acerca da identidade de gênero”.

Além do mais, experiências intersexo são variadas (tanto pelas diferentes variações intersexo quanto pelas diferentes situações que alguém pode ter passado dentro de certa variação) e não garantem sabedoria automática em relação a questões intersexo. Fazer um teste de cromossomos aos 30 anos e se descobrir intersexo por ser XYY não dá a alguém a experiência de uma pessoa que passou por cirurgias e/ou terapia hormonal por conta de sua intersexualidade.

Ser intersexo geralmente não significa ter crescido em um ambiente onde a maioria das pessoas em volta possuem a mesma marginalização (da mesma forma que, por exemplo, ser pobre), ou que a pessoa precisou questionar ao menos algumas normas sociais para conseguir entender o que é (da mesma forma que, por exemplo, ser não-binárie). Então pode ser comum achar pessoas que sabem que possuem tal variação intersexo, mas que só se veem como doentes porque é isso o que disseram a elas pela vida inteira, e que acham absurdo serem classificadas como fora de “seu sexo biológico” ou como LGBTQIAPN+ por conta de tal “doença”.

Por conta disso, por mais que variações intersexo sejam comuns, nem toda pessoa intersexo vai ser uma aliada na luta contra o diadismo, ou na luta contra cissexismo e heterossexismo. E nem toda pessoa intersexo vai se reconhecer como tal. Novamente, ser intersexo não garante entendimento nenhum sobre questões intersexo ou LGBTQIAPN+, e querer se dizer intersexo só para poder entrar em mais discussões acerca do assunto pode não ser uma boa ideia.

 

 

As várias jornadas possíveis

Existem dezenas de variações intersexo, então obviamente elas podem acabar sendo descobertas de formas diferentes.

Algumas pessoas decidem pesquisar sobre alguma medicação estranha que tomaram na adolescência e descobrem que era terapia hormonal. Outras pessoas descobrem em seu histórico médico que passaram por várias cirurgias sem ter idade suficiente para ter memórias disso, e, perguntando para responsáveis e/ou hospitais, descobrem que a cirurgia foi para remover gônadas consideradas inadequadas e/ou para “corrigir” a genitália.

Algumas pessoas fazem exames hormonais por qualquer motivo e descobrem que seus níveis hormonais são diferentes dos esperados. Ou fazem exames de cromossomos que retornam resultados diferentes dos esperados. Ou tentam fazer exames de útero e descobrem que sua genitália é atípica, que suas gônadas funcionam de forma diferente ou que na verdade não possuem útero.

Algumas pessoas passam por mudanças inesperadas na adolescência, como algum crescimento de seios ainda que a pessoa tenha sido designada homem ao nascer, ou como crescimento de barba ainda que a pessoa tenha sido designada mulher ao nascer. Também pode acontecer que a pessoa não passe por nenhum tipo de mudança esperada, por não produzir ou ser afetada por estrogênio e/ou testosterona.

Algumas pessoas acabam se deparando com a informação de que seus falos são maiores do que o esperado (clitoromegalia), ou menores do que o esperado (micropênis, afalia).

Com mais informação sendo difundida sobre questões intersexo, agora é possível que pessoas pesquisem sobre o assunto mesmo que não hajam sinais “óbvios” de ser intersexo. Embora eu ache que este seja um questionamento saudável – afinal, parte do diadismo é a questão de pessoas não questionarem que mais de dois sexos serem possíveis – não é sempre uma questão fácil de responder.

 

 

Se você não tem certeza, pergunte-se…

  • Você já sentiu que seu corpo teve um desenvolvimento de características sexuais diferentes das esperadas, ainda que ele não possa ser justificado por conta de acidentes, cirurgias ou terapia hormonal (incluindo bloqueadores de hormônios)?
  • Você passa, passou ou tem motivo para achar que passa/passou por terapia hormonal ou cirurgias relacionadas com características sexuais sem o seu consentimento?
  • Você passa ou passou por algum problema que poderia ser justificado pelos seus níveis de hormônios sexuais serem atípicos naturalmente (incluindo: quantidade/grossura de pelos no corpo, ciclos menstruais irregulares, problemas onde uma consulta médica resultou em medicação que afeta hormônios sexuais)?

Se você acha que a resposta é sim, você pode sair procurando por variações intersexo que possam justificar isso. Ou não; é possível que nenhuma pareça se encaixar ainda que suas experiências sejam reconhecidas como intersexo pela maioria. Você pode querer fazer exames para ter certeza se possui uma variação intersexo específica, como síndrome do ovário policístico ou hipogonadismo, mesmo que os resultados só digam essas coisas sem conter a palavra intersexo. Ou, se o caso é que você suspeita de modificações corporais, você pode ir atrás de seu histórico médico.

É possível que as suspeitas não confirmem nada. Afinal, sempre vai existir um limite entre onde ser perissexo termina e onde ser intersexo começa; será que é um micropênis ou um pênis? Quantos pelos grossos precisam aparecer pra contarem como ter barba? Nestes casos, acho bom se perguntar: faz sentido chamar as experiências relacionadas a isso de experiências intersexo? Este é um rótulo útil para elas?

Se nada disso parecer familiar, ainda é possível que você seja intersexo. Afinal, você só tem a própria experiência e pode não vê-la como diferente das demais, ou você pode ter uma variação intersexo que passou despercebida (como alguma que é puramente relacionada a cromossomos). Porém, também é possível que você não seja intersexo.

Você pode fazer exames para conferir níveis hormonais e cromossomos, mas, a não ser que haja um desejo muito grande de ter certeza, eu não vejo muitos motivos pra fazer isso. Exames são caros e demorados; qual a vantagem em querer tanto provar ser intersexo, sem nem ter tal certeza?

Observação: É em inglês, mas o site da ISNA tem várias informações sobre variações intersexo aqui. O máximo que chega perto disso em português, até onde sei, são páginas da Wikipédia sobre o assunto. Vale lembrar que nenhuma destas páginas contém uma lista completa de variações intersexo.

 

 

Umas últimas informações

Independentemente de você ser intersexo, tente ler sobre questões intersexo. Tem a página do Facebook da ABRAI, umas postagens sobre intersexualidade em Transadvocate Brazil e diversos blogs, vlogs e perfis de pessoas intersexo por aí.

A comunidade intersexo é muitas vezes dividida em uma série de questões: se tal variação conta ou não conta como intersexo, se tal bandeira representa bem a comunidade ou é ofensiva, se pessoas que não são intersexo devem ser chamadas de perissexo, endossexo ou diádicas, se a palavra intersexual é ofensiva ou não. Recomendo prestar atenção nas divergências e não tentar corrigir pessoas intersexo que discordam de você ou de sue blogueire intersexo preferide, especialmente se a pessoa não parecer aberta a mudar de ideia.

Mesmo assim, a maior parte da comunidade – ao menos de suas partes mais alinhadas com ativismo intersexo – concorda que cirurgias em bebês e crianças pequenas precisam acabar, assim como terapia hormonal sem consentimento. A maioria entre essas pessoas também vai ser contra a designação de gênero/sexo ao nascimento de qualquer pessoa, mas especialmente contra a designação coerciva de pessoas intersexo.

Se você for (ou se descobrir) intersexo e quiser se envolver mais na comunidade, fale com pessoas intersexo que você conhece, contate a ABRAI (que possui Instagram também) ou tente postar sobre isso em nosso fórum em alguma área apropriada.