Um espaço de aprendizagem

Posts for Tag : mitos e verdades

Mais mitos e verdades sobre pessoas não-binárias  0

Mitos e verdades é uma série de postagens que vão direto ao ponto sobre opiniões preconceituosas ou errôneas de alguma outra forma.

A presente postagem não cobre assuntos cobertos por esta outra postagem.

Mito: Qualquer conjunto que não é o/ele/o ou a/ela/a é neutro.
Verdade: Linguagem dita neutra é a utilizada para se referir a grupos de pessoas que usam diferentes linguagens, ou a pessoas às quais você não sabe como se referir. Existem conjuntos que raramente são utilizados como neutros (como i/íli/i ou u/ilu/u), e, em nossa sociedade, é possível assumir que o/ele/o é geralmente utilizado como conjunto neutro.
Caso alguma pessoa disser que “usa linguagem neutra”, recomendo perguntar qual a linguagem que utiliza como neutra, afinal neolinguagem oferece opções infinitas que alguém poderia teoricamente considerar neutra.

Mito: Todas as possibilidades de gêneros envolvem masculinidade, neutralidade, feminilidade ou relação a estes conceitos de alguma forma.
Verdade: Limitar as possibilidades de gêneros é sempre prejudicial a alguma categoria de pessoas. Existem diversas experiências de gêneros diferentes que utilizam outros conceitos para serem descritos, existem diferentes gêneros que rejeitam estes conceitos de diferentes formas. Alguns exemplos são maverique, egogênero e caelgênero.
Além disso, é possível ser mulher, ser homem, ou ter algum gênero relacionado a estes sem ter alguma ligação particular com masculinidade, neutralidade ou feminilidade.

Mito: Não existem orientações para pessoas não-binárias atraídas apenas por algum gênero binário.
Verdade: Existem diversas orientações feitas com esse propósito em mente, como home- e mulhe- e diversos prefixos que foram feitos para substituir tanto estes quanto andro- e gine- (prefixos que algumas vezes são utilizados como “atração por pênis” e “atração por vagina” e que por isso são evitados por muita gente). Viramórique ou vir- para atração por homens e feminamórique ou femina- para atração por mulheres são os termos mais populares atualmente, mas isso pode mudar, afinal criam termos novos para isso frequentemente.
Pessoas não-binárias que se sentem confortáveis com isso e que acreditam que estes termos se aplicam à sua experiência também podem utilizar gay, lésbica ou similares.

Mito: Pessoas não são atraídas por pessoas não-binárias, e sim por qual gênero cada pessoa parece ser.
Verdade: Atração por gêneros é por gênero. É possível mentir para si mesme para ver uma pessoa como outro gênero ainda que a pessoa não seja de tal gênero, ou mentir para outras pessoas para que vejam certa pessoa como outro gênero, mas pela consciência e conhecimento sobre o gênero alheio, a atração vai naturalmente começar a ocorrer, deixar de ocorrer, mudar de intensidade, etc., dependendo das orientações e dos gêneros envolvidos.

Mito: Pessoas que se identificam como bi/poli/multi que não sentem atração pelo próprio gênero estão fetichizando gêneros não-binários e tentando esconder que só aceitam sentir atração por um tipo de corpo.
Verdade: Pessoas que deixam de se identificar como hétero por reconhecerem que alguém por quem possuem atração possui um gênero diferente do qual imaginaram estão respeitando mais a existência de gêneros não-binários do que quem quer manter a “pureza” da comunidade LGBTQIAPN+ com a ideia de que só atração pelo mesmo gênero pode ser considerada não-hétero.
Pessoas multi sem atração pelo próprio gênero possivelmente aceitam mais a ideia de que corpo não determina gênero do que pessoas que suspeitam que alguém que (aparentemente) só sente atração por pessoas com certo tipo de corpo seja secretamente hétero.

Mito: Pessoas não-binárias não possuem demandas próprias, diferentes das de pessoas trans binárias.
Verdade: Exorsexismo existe. Pessoas não-binárias precisam de ao menos uma opção de neolinguagem sendo reconhecida oficialmente, precisam da aceitação da sociedade em relação à diversidade de identidades de gênero existentes, precisam de banheiros e espaços que não obriguem a escolher uma opção binária de gênero, precisam de acesso a procedimentos de transição que não assuma ou force pessoas a se identificarem com algum gênero binário. Precisam de que haja acesso à informação sobre pessoas não-binárias para a população geral, precisam poder ter suas identidades respeitadas em consultas, aulas e profissões. Precisam que a sociedade respeite que linguagem, nomes e maneiras de se vestir não devem ser sempre consideradas masculinas ou femininas, e nem prova de que alguém está mentindo sobre seu gênero. Um mundo ideal para pessoas não-binárias precisa de muito mais reestruturação social do que um mundo ideal apenas para pessoas trans binárias.

Mito: Neurogêneros (identidades exclusivas para pessoas neurodivergentes) dificultam o processo de recuperação de pessoas neurodivergentes.
Verdade: Nem toda neurodivergência é “curável”. De qualquer forma, pessoas neurodivergentes merecem palavras para descrever suas experiências, ainda que elas mudem no futuro por conta de certos sintomas amenizarem ou desaparecerem. Ninguém precisa ficar prese a rótulos que não são mais úteis.

Quer ver mais mitos e verdades? Comente!

Mitos e verdades sobre orientações  0

Mitos e verdades é uma série de posts que vão direto ao ponto sobre opiniões preconceituosas ou errôneas de alguma outra forma.

Mito: Pessoas que defendem que existem infinitas orientações obrigam pessoas a se encaixarem em orientações extremamente específicas
Verdade: A maioria das pessoas que defendem que existem infinitas orientações também defendem que cada pessoa tenha o direito de se identificar como queira, desde que não seja de forma preconceituosa.
Por exemplo: uma pessoa que já se apaixonou por pessoas de diversos gêneros, mas que nunca sentiu atração sexual, pode se chamar de bissexual apenas, se preferir isso a se chamar de assexual birromântica ou polirromântica. Uma mulher não-binária que apenas sente atração por mulheres e por outras mulheres não-binárias pode se chamar de lésbica, ao invés de proquassexual ou finsexual.

Mito: Pessoas bissexuais são pessoas que são atraídas apenas por gêneros binários
Verdade: Qualquer pessoa que se sente atraída por mais de um gênero pode se chamar de bi, não importa quais os gêneros ou quantos são.

Mito: Homossexual é a maneira mais formal/correta de se referir à identidade de uma pessoa gay
Verdade: Homossexual foi uma palavra muito utilizada para classificar pessoas com atração pelo mesmo gênero no meio médico. A palavra homossexualidade era listada como o nome de um transtorno psicológico nos Estados Unidos até 1973, por exemplo. Por isso, as palavras “homo” e “homossexual” são consideradas estigmatizadas, e não devem ser utilizadas para descrever pessoas que não se identificam especificamente como tal, ou para descrever a comunidade gay e lésbica num geral.
As palavras gay, lésbica, e bissexual também possuem origem em insultos ou patologizações, porém, houveram movimentos bem maiores para utilizar estas palavras em contextos não ofensivos.

Mito: Orientação sexual é baseada em sexo biológico
Verdade: Orientação sexual é baseada em gênero. Quando há atração por pessoas que são vistas na rua, tal atração não é pela genitália, que nem pode ser vista (na maior parte das vezes). Muito menos é pela quantidade de hormônios ou pelos cromossomos de alguém.
Enquanto pessoas podem ter certo nojo de fazer sexo com alguém com certos tipos de genitália, muitas vezes é mais pela associação da genitália com um certo gênero do que pela genitália em si. É claro que tal repulsa deve ser respeitada, mas ela não existe até que a pessoa tira a roupa.

Mito: Pessoas cetero são simplesmente pessoas gay
Verdade: Pessoas cetero são pessoas não-binárias que sentem atração apenas por outras pessoas não-binárias. Porém, existe uma infinidade de gêneros não-binários; existem pessoas agênero, pessoas poligênero, maveriques, andrógines, pessoas gênero-fluxo, pessoas gênero-estrela, magimeninos, juxeras, pessoas gênero-cinza, pessoas gênero-vago… enfim. Vários destes gêneros são muito diferentes uns dos outros, mesmo que todos sejam não-binários.
Pessoas cetero podem se identificar como gay, dependendo da situação… mas é importante saber que cetero não é uma substituição eficiente para “pessoa gay não-binária”.

Mito: Homens são gays, mulheres são lésbicas
Verdade: Originalmente, realmente era assim. Porém, o tempo passou, e agora gay é uma palavra que pode ser utilizada por pessoas de qualquer gênero que se identificam como tal.

Mito: Qualquer relação entre gêneros diferentes é hétero
Verdade: Além dessa suposição ser danosa para pessoas multi no geral, ela também é ruim para pessoas em relações diamóricas; ou seja, relações envolvendo no mínimo uma pessoa não-binária. Relações diamóricas podem “parecer hétero” em certos casos, e “parecer gay” em outros. Porém, muitas vezes, tais descrições desconsideram totalmente o gênero das pessoas não-binárias envolvidas em tal relação. Pessoas não-binárias não são um coringa que servem para ser o mesmo gênero de sues companheires, e nem pessoas que devem ter seu gênero desconsiderado por não parecerem gay ou trans o suficiente.

Mito: Novos termos para orientações vêm de fora da comunidade LGBTQIAP+
Verdade: Normalmente, novos termos possuem origem em comunidades LGBTQIAP+ já existentes, para melhor definir certos grupos. Por exemplo: a comunidade assexual veio da comunidade bissexual, já que um nível de atração igual em relação a todos os gêneros é uma característica assexual, mesmo que tal nível de atração seja zero. A comunidade arromântica veio da comunidade assexual, onde se discutiu sobre pessoas assexuais terem atração romântica de formas diferentes umas das outras. As comunidades polissexual e pansexual provavelmente vieram da comunidade bissexual, quando houve a necessidade para termos que não parecem se referir ao binário de gênero.

Mitos e verdades sobre pessoas não-binárias  1

Mitos e verdades é uma série de posts que vão direto ao ponto sobre opiniões preconceituosas ou errôneas de alguma outra forma.

Mito: Pessoas não-binárias não devem ser consideradas transgênero
Verdade: Algumas pessoas não-binárias não acham que transgênero é uma palavra adequada para suas experiências, mas várias pessoas não-binárias se identificam como pessoas trans.

Mito: Pessoas não-binárias utilizam o pronome elx
Verdade: Enquanto pessoas não-binárias podem utilizar o pronome elx, pessoas não-binárias também podem utilizar ile, elu, eld, entre outros, ou até mesmo ele ou ela, ou ainda, podem não se importar com qual pronome é utilizado. Depende da preferência de cada pessoa.

Mito: Linguagem neutra envolve terminar tudo com x ou com y
Verdade: Linguagem verdadeiramente neutra em relação a pessoas deve fazer com que todas as pessoas sejam inclusas, sejam pessoas não-binárias, homens ou mulheres. Não adianta dizer “todxs somos lutadores”, porque lutadores está na linguagem considerada masculina, o que anula a neutralidade da frase. “Todxs xs organizações” também é desnecessário, porque organizações é uma palavra que pede a/ela/a.
Também é preferencial utlilizar termos neutros mais pronunciáveis, como aquelus ou todes, ao invés de aquelxs ou todxs.

Mito: Pessoas não-binárias estão inventando gêneros para parecerem especiais
Verdade: Pessoas não-binárias muitas vezes precisam criar novas palavras para se descreverem, porque as existentes não são suficientes. Pessoas não-binárias muitas vezes não dizem que são não-binárias, ou não especificam seus gêneros, por causa de todo o preconceito e da possibilidade de isolamento e violência que envolve ser uma pessoa transgênero ou não-binária. Ser não-binárie não é uma fonte de popularidade ou de respeito, muito pelo contrário; não há porque adotar uma identidade não-binária por “modinha”.

Mito: Pessoas não-binárias só ligam para roupas, não sentem disforia e nem fazem nenhum tipo de transição que seja permanente
Verdade: Algumas pessoas não-binárias não possuem interesse em transição, porque a tecnologia atual não é o suficiente, por causa de problemas de saúde, por causa de problemas financeiros, e/ou por causa de falta de apoio de pessoas próximas, entre outros motivos. Porém, várias pessoas não-binárias sofrem disforia, e muitas fazem transição, tomando hormônios, fazendo cirurgia para remover peitos ou ter uma face considerada mais feminina, entre outras coisas.

Mito: Gêneros não-binários foram uma invenção recente
Verdade: Várias palavras que descrevem gêneros não-binários são datadas da década de 90 (por exemplo: gênero-fluido, neutrois), e algumas pessoas já se descreviam como andrógines no fim do século XIX e no início do século XX. O título neutro Mx, que poderia ser traduzido como Sre. (senhore) em português, foi utilizado em via impressa pela primeira vez em 1977. Também é uma boa ideia lembrar de que a ideia de só haverem dois gêneros não é universal; certas culturas não dividiam dois gêneros desta forma, e outras possuem ou possuíam de 3 a 6 gêneros. Pessoas de tais culturas que possuem gêneros incompatíveis com o binário homem/mulher de atualmente certamente não são cis, mas possuem o direito de escolher se querem ou não se rotular como pessoas transgênero e/ou não-binárias.

Mito: A palavra cisgênero nasceu em redes sociais
Verdade: A palavra cisgênero foi inventada em 1995 por um homem trans.

Mito: Pronomes neutros foram inventados em redes sociais
Verdade: Talvez isso até seja verdade em português, mas ao menos em inglês, existem neopronomes neutros (ou seja, que não são they ou it) datados de 1789 (ou), 1858 (thon), 1884 (ip, le), 1888 (ir), 1890 (e), 1970 (co), 1975 (ey), 1977 (em), 1979 (et) e 1982 (hu), entre outros.

Mito: Pessoas não-binárias são só adolescentes que ficam na internet o dia todo e que não sabem como o mundo real funciona
Verdade: Pessoas não-binárias podem ter diversas idades, e embora muitas utilizem a internet como principal meio de interação e expressão, parte disso é causado pela repressão que identidades incomuns sofrem no mundo real. Cissexismo e exorsexismo são algo real, e é por isso que muita gente só tem coragem de dizer que é não-binárie em redes sociais.

Mito: Pessoas intersexo são biologicamente não-binárias
Verdade: Enquanto pessoas intersexo são intersexo por não se encaixarem em categorias biológicas de “sexo masculino” ou de “sexo feminino”, são raros os casos onde uma pessoa intersexo não é categorizada como um gênero binário ao nascimento. Uma mulher intersexo que foi designada como menina ao nascimento não é trans; uma pessoa não-binária que é intersexo não é cis. Tentar relacionar possibilidades de características sexuais primárias e secundárias com gêneros não-binários também é cissexista e diadista.

Fonte das questões históricas: http://nonbinary.org/wiki/History_of_nonbinary_gender


Pular para a barra de ferramentas