Um espaço de aprendizagem

Genderqueer

Bandeira genderqueer

Bandeira genderqueer

Pessoas de gênero queer, ou genderqueer, podem ser:

  • Pessoas que não são nem 100% homens, nem 100% mulheres. Ou seja, desde pessoas sem gênero, pangênero e maveriques até andrógines, proxvirs e demimulheres podem se chamar de genderqueer, caso queiram. Pessoas bigênero ou com gênero fluido entre homem e mulher também podem se dizer genderqueer;
  • Pessoas cujo gênero e orientação estão interligados (por exemplo, homens que não se sentem exatamente homens por sentirem atração por homens, e agem de forma que não associam ao gênero masculino por conta disso);
  • Pessoas que agem radicalmente contra as normas de gênero, pela maneira de se vestir, por exemplo.

Genderqueer é uma identidade que é geralmente utilizada por pessoas que não se dizem cisgênero – e não apenas por recusarem aceitar que são algo além de “normais” – mas é possível que pessoas consideradas cis utilizem o rótulo, afinal ele é extremamente abrangente.

O termo genderqueer – o nome em inglês é o mesmo que está aqui – foi possivelmente criado no início dos anos 90. É um termo que propõe ser uma alternativa inclusiva ao termo transgênero, por transgênero ser uma palavra mais aplicada a pessoas trans binárias, ainda que tenha sido criada para ser mais inclusiva.

A palavra genderqueer também foi criada para ser uma contracultura em relação a políticas de assimilacionismo da comunidade transgênero, assim como queer é uma palavra utilizada por aquêlus que são contra as políticas de assimilacionismo de comunidades gay e LGBT+ num geral.

Por queer ser uma palavra estigmatizada, ainda considerada ofensiva para muites anglófones, muitas pessoas rejeitam genderqueer tanto como um termo para cobrir pessoas não-binárias tanto como um termo para se descreverem.

A bandeira genderqueer foi criada por Marilyn Roxie em junho de 2011, embora Marilyn tivesse feito outras propostas antes. A bandeira possui três faixas horizontais de igual tamanho, nas cores lavanda, branca, e verde. Tais faixas representam:

  • Lavanda: Androginia e andrógines, além da identidade queer (lavanda é uma cor há muito tempo associada com identidades não-dicishétero);
  • Branca: Identidade agênero;
  • Verde: Inverso de lavanda. Representa as pessoas cujas identidades não fazem referência a gêneros binários.

Links adicionais:

Pular para a barra de ferramentas