Um espaço de aprendizagem

Política de respeitabilidade

Esta é uma questão que aparece bastante em relação a questões LGBTQIAP+, embora também exista em razão de outras questões de discriminação (raça, neurotipo, etc). Consiste basicamente em passar a mensagem para o grupo dominante de que “fora essa pequena diferença, somos como vocês, então nos aceitem“.

Isso faz com que certo grupo adquira mais respeito pelo grupo dominante, a troco de setores que não conseguem passar por “pessoas normais” tão facilmente. Este processo é chamado de assimilação.

Esta postagem tem o objetivo de apontar este fenômeno como algo ocorrente em movimentos LGBTQIAP+. Portanto, aqui estão alguns exemplos deste tipo de política:

  • Promover uma imagem pura do casal de mesmo gênero que “só quer amar e ter uma família como você“, geralmente de pessoas brancas cisgênero dentro dos padrões de beleza, o que prejudica casais que já seriam mal vistos de outras maneiras por sua aparência, pessoas em relacionamentos poliamorosos, pessoas arromânticas, pessoas que não querem ter relacionamentos fechados, etc.;
  • Promover um padrão clichê de como uma pessoa transgênero deve ser, por meio de criar uma narrativa normativa de como desde que era criança a pessoa já queria usar roupas e brincar com brinquedos associados com seu gênero, e de como a pessoa sofre por não ter um corpo parecido com o de uma pessoa cisgênero e perisexo de seu gênero. Esta narrativa prejudica pessoas trans que não querem realizar sua transição, pessoas não-binárias num geral, pessoas que não possuem dinheiro para realizar sua transição, pessoas trans que não querem obedecer os papéis de gênero, etc.;
  • Promover um padrão de como uma pessoa não-binária “de verdade” deve ser e agir; sendo sempre de um gênero que envolve ambos os gêneros binários ou de um gênero neutro; sempre tendo disforia e total certeza de que cirurgias deve fazer para mudar seu corpo; sempre tendo linguagem fácil de utilizar; não se importando com microagressões; falando que é não-binárie e trans de verdade, ao contrário de pessoas não-binárias mais “radicais”; o que obviamente prejudica pessoas não-binárias com gêneros mais complexos, com disforia física inexistente ou impossível de aliviar, entre outras;
  • Promover a imagem de pessoas intersexo que “entendem” que são exceções e que precisam ser “consertadas”. Também promover que pessoas intersexo não são LGBTQAP+, por possuirem uma condição diferente de outras pessoas LGBTQAP+, tentando se distanciar do fato de que tais grupos foram considerados similares historicamente;
  • Promover que relacionamentos “gay” são iguais a relações “hétero”, e que pessoas só ficam em relacionamentos do mesmo gênero porque não possuem nenhuma outra opção, o que prejudica pessoas multi e pessoas assexuais/arromânticas;
  • Promover definições fechadas e fáceis de entender, como definir “LGBT” como a sigla mais completa e definir o resto das identidades que se encaixam em não-pericishétero como irrelevantes, como definir o mínimo de orientações e de identidades de gênero possíveis, como definir apenas os casos mais extremos como “LGBT+ o suficiente”.

 

No Comments Yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Pular para a barra de ferramentas