Um espaço de aprendizagem

Orientações flexíveis: como utilizar

Na maioria das listas de orientações, as orientações que são listadas são hétero, lésbica, gay, e bi; em listas um pouco maiores, podem ser encontradas também as orientações pan, assexual, demi, e poli. As listas que vão além destas, mas que ainda focam em experiências mais diversas, podem incluir gray-a, cetero, e abro.

Porém, ocasionalmente, entre estas orientações, também podem ser encontradas as orientações homoflexível – alguém que geralmente sente atração por pessoas do mesmo gênero, com algumas exceções – e heteroflexível – alguém que geralmente sente atração pelo gênero considerado “oposto” pela sociedade, com algumas exceções. Estas são orientações relativamente controversas, geralmente pelas seguintes suposições:

  1. Heteroflexível é uma palavra para pessoas hétero que querem dizer ser oprimidas sem precisarem realmente tomar riscos. Este é um argumento monossexista muitas vezes utilizado contra pessoas multi também. Não há motivos para uma pessoa hétero “querer ser oprimida”. Nenhuma orientação é modinha o suficiente para valer a pena toda a discriminação sofrida por não ser hétero.
  2. Homoflexível é uma palavra empurrada para pessoas gays ficarem disponíveis para pessoas de outros gêneros contra suas vontades. Este também é um argumento monossexista muitas vezes utilizado contra pessoas multi. Qualquer pressão para se identificar como algo que não quer é desmerecida, e qualquer pressão para “ficar disponível” para alguém, independentemente da compatibilidade em relação à orientação, é abusiva. Agora, isso não é motivo para reclamar da existência de diversidade de rótulos. Pressionar pessoas homoflexíveis a se identificarem como gays é tão ruim quanto pressionar pessoas gays se identificarem como homoflexíveis.
  3. Homoflexível e heteroflexível são identidades anti-bi, porque quantificam atrações desnecessariamente/incentivam pessoas a não se identificarem como bi/etc. Assim como não é certo forçar pessoas homoflexíveis ou heteroflexíveis a se identificarem como gays/hétero, também não é certo forçá-las a se identificarem como bi. Pessoas de qualquer identidade flexível podem se identificar como bi/multi caso queiram, mas geralmente, se possuem estas identidades, ou sentem necessidade de dizer que sua orientação na maioria das vezes funciona de certa forma, ou sentem estar “invadindo” a comunidade bi por causa de exceções à regra.

Ou seja, estas controvérsias ou vêm da suposição de que todas as pessoas que sentem atração por mais de um gênero precisam se identificar como bi, e que são preconceituosas se não se identificarem como bi; ou da suposição de que o ideal é apenas se identificar como gay ou hétero, porque o resto “complica demais” ou “força a barra”. Estes argumentos geralmente possuem base em cenários exagerados, e não admitem a possibilidade de que alguém queira se identificar como algo além de lésbica/gay/bi/hétero por conta própria e sem ter preconceito algum contra quem prefere se identificar com alguma destas identidades.

Dito isso, bola pra frente.

Pessoas de orientações flexíveis geralmente se identificam como tal por causa de atração que realmente aconteceu. Por exemplo, uma lésbica que se apaixonou uma vez por um homem, mesmo tendo certeza de que era um homem, pode se chamar de homoflexível.

Porém, também é possível se identificar com este tipo de orientação por ter abertura a relações com pessoas de outros gêneros, mesmo que não tenha acontecido nenhuma atração ainda.

É possível também ser de alguma orientação flexível que não seja heteroflexível e homoflexível. Por exemplo, uma pessoa ceteroflexível geralmente sente atrações por pessoas não-binárias, mas pode sentir atração por pessoas binárias de vez em quando. Uma pessoa mulheflexível geralmente só sente atração por mulheres, mas pode ocasionalmente sentir atração por pessoas de outros gêneros. O sufixo -flexível é útil para praticamente todas as orientações que são definidas por atração a gêneros ou espectros específicos.

Qualquer pessoa pode se enganar a respeito de sua orientação, descobrindo que na verdade as exceções à regra não são tão raras assim e passando a se identificar como bi/poli/etc., ou descobrindo que as exceções não eram atração de verdade e passando a se identificar como gay/hétero/etc. Também é possível descobrir que as exceções na verdade eram as únicas instâncias de atração de verdade.

Porém, é possível se enganar a respeito de qualquer orientação, e é importante saber que rótulos não precisam ser permanentes ou completamente precisos. Caso sejam úteis e confortáveis para você, use-os. Caso não sejam, mude-os ou deixe-os.

É claro, a decisão de usar um rótulo destes é sua, mesmo que você se encaixe perfeitamente neles. Por exemplo, se uma pessoa não gosta de se dizer homoflexível, pode se dizer somente gay, e, apenas se quiser, dizer que possui exceções.

Como nota final, é possível especificar se uma orientação flexível é sexual/romântica/platônica/etc., como em neuflexirromântique ou em proquuflexisexual. Porém, geralmente, orientações flexíveis são utilizadas como as palavras gay e lésbica, podendo ser utilizadas sem modificações em qualquer tipo de orientação; como em assexual arromântique finflexível, demirromântique mascuflexível ou quoissexual heteroflexível.

No Comments Yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Pular para a barra de ferramentas