Termos úteis!

Início Fóruns Site Fórum Termos úteis!

Este tópico contém resposta, possui 1 voz e foi atualizado pela última vez por  Tath 6 meses, 2 semanas atrás.

Visualizando 2 posts - 1 até 2 (de 2 do total)
  • Autor
    Posts
  • #547 Quote

    Tath
    • ed/eld/e
    • -/éli/e

    Mestre

    Aqui estão siglas, expressões, e terminologia em geral relacionada à comunidade LGBTQIAP+, que poderá ser utilizada aqui no fórum e em outros espaços LGBTQIAP+.

    ~ Orientações e descrições de orientações ~

    Sáfica: Relação entre duas mulheres, ou uma descrição para uma mulher interessada em mulheres (seja ela lésbica, bi, pan, etc). Algumas pessoas não-binárias atraídas por mulheres podem achar esse rótulo adequado para si e se identificar com ele.

    Aquileana: Relação entre dois homens, ou uma descrição para um homem interessado em homens (seja ele gay, proquu, omni, etc). Algumas pessoas não-binárias atraídas por homens podem achar esse rótulo adequado para si e se identificar com ele.

    Diamórica: Relação que envolve no mínimo uma pessoa não-binária, ou uma descrição para pessoas não-binárias que consideram importante sua identidade não-binária e/ou a identidade não-binária alheia em sua atração (seja a orientação dessas pessoas cetero, poli, queer, etc.)

    (E favor não assumir que relacionamentos que tenham um homem e uma mulher sejam hétero, tá? Essas pessoas podem ser arromânticas, assexuais, e/ou de alguma identidade multi.)

    Orientação multi/multissexual/multirromântica: Qualquer orientação que seja definida pela atração por mais de um gênero.

    Mono/monossexual/monorromântica: Orientação que é definida pela atração por um gênero, e por pessoas que consideram seus gêneros próximos a este. Este termo é apenas para discutir monossexismo e seus produtos (como, por exemplo, a falta de recursos que vão para causas bi dentro de comunidades LGB+). Mono não é uma orientação por si só, e normalmente não se descreve outra pessoa como mono.

    Espectro assexual/arromântico: Identidades que cobrem toda a comunidade assexual/arromântica, inclusive as pessoas que sentem atração de vez em quando, ou que não sentem atração mas realizam ações/possuem vontades que pessoas associam com atração.

    Modelo de atração dividida (MAD, SAM em inglês): Um modelo de atração onde uma pessoa pode descrever sua orientação sexual como diferente de sua orientação romântica, platônica, estética, etc.

    Pessoa variorientada: Pessoa que utiliza o modelo de atração dividida (romântica, sexual, etc). Por exemplo, uma pessoa que se identifica como cupiossexual birromântica, ou como lésbica arromântica, separando a atração sexual da romântica. Caso a pessoa seja arromântica e/ou assexual, podem haver mais divisões (orientação platônica, orientação estética, etc).

    Pessoa periorientada: Pessoa que não sente necessidade ou que não se sente confortável em separar sua orientação sexual de sua orientação romântica. Por exemplo, alguém que só se identifica como gay, ou como pansexual, ou como demibissexual. Uma pessoa periorientada pode utilizar vários rótulos e ainda ser periorientada; a diferença é que quem é periorientade não separa suas atrações em categorias diferenciadas.

    (Pessoas que se identificam como, por exemplo, polissexuais polirromânticas, ainda são periorientadas, por suas atrações não serem divergentes, mesmo que elas estejam sendo escritas separadamente.)

    Relação queerplatônica/quasiplatônica (QP): Relação séria sem romance. Difere de amizades porque pessoas neste tipo de relação podem ter o objetivo de morar juntas, trocar carinho de forma considerada romântica, e/ou fazer sexo exclusivamente entre elas. O conceito deste tipo de relação foi criado pela comunidade arromântica, para pessoas que gostariam de ter relacionamentos mesmo sem possuir a capacidade de se apaixonar ou de ficarem apaixonadas, porém pessoas de qualquer orientação romântica podem estar numa RQP.

    ~ Sexo & gênero ~

    Gênero designado ao nascimento (GDAN): O gênero que escrevem na certidão de nascimento quando a pessoa nasce. Normalmente baseado na genitália. Em inglês, a sigla é DGAB ou AGAB.

    DFAN/DMAN/AFAN/AMAN: Designade/Atribuíde (como sexo) Feminino ao Nascimento/Designade (como sexo) Masculino ao Nascimento

    Configuração genital: Descrição da genitália

    Disforia (de gênero): Desconforto com a diferença entre o gênero imposto e o gênero. Pode ser física (um homem trans se sentir mal com seus peitos por eles serem associados a ser mulher, por exemplo), social (uma pessoa não-binária se sente mal em ser categorizada como homem ou mulher em público, por exemplo), e/ou mental (uma mulher trans questiona seu gênero por ainda ser uma grande torcedora de futebol, por exemplo).

    Euforia (de gênero): Conforto em se associar com sua identidade de gênero. Pode ser física (uma pessoa agênero pode se sentir mais validada depois de retirar os seios), social (uma mulher trans pode se sentir aliviada ao ser tratada pelo nome e linguagem correta) e/ou mental (ume maverique pode se sentir melhor consigo mesme se chamando de maverique e pela linguagem certa mentalmente).

    Transição: Transição física para ter um corpo mais parecido com a ideia da sociedade de como uma pessoa de certo gênero se parece. Pode envolver cirurgias e terapia hormonal. Algumas pessoas também consideram vestir roupas socialmente adequadas para seu gênero e se abrir sobre sua identidade para outras pessoas como transição.

    Linguagem (artigo/pronome/fim de palavra): A linguagem que você deve utilizar para determinada pessoa. Por exemplo, mulheres binárias geralmente utilizam a linguagem a/ela/a.

    (Descrever sua linguagem como feminina ou masculina pode não ser uma boa ideia, já que pessoas não-binárias podem utilizar a/ela/a ou o/ele/o por conveniência, sem querer que tal linguagem seja marcada como a de um certo gênero!)

    Maldenominar: Utilizar a linguagem, o nome ou o gênero errado para se referir a uma pessoa não-cis. Pode acontecer de forma acidental ou proposital, mas mesmo maldenominações acidentais podem ser frutos de preconceitos ou discriminações cissexistas.

    Nome morto: Um nome que uma pessoa trans já usou – por ser o nome atribuído a ela ao nascimento, ou por ser um nome que a pessoa escolheu e depois mudou de ideia – mas que não utiliza mais. Chamar alguém por seu nome morto é uma forma de maldenominação.

    Nome de registro: O nome que aparece nos documentos de uma pessoa. No caso de pessoas trans, é possível que o nome de registro seja um nome morto, mas também é possível que seja seu nome atual, porque a pessoa pode ter trocado de nome em seus documentos (ou porque a pessoa pode ter decidido não trocar seu nome).

    Nome social: Um nome utilizado no dia-a-dia. Geralmente, esta terminologia só é utilizada para pessoas que usam um nome diferente do designado ao nascimento, ou diferente do nome de registro em geral. Porém, recomendo que a terminologia “nome social” só seja utilizada caso necessária para o contexto; se referir constantemente aos nomes de pessoas trans como nomes sociais dá a impressão de que não são nomes normais ou reais, como os de pessoas cis.

    ~ Geral ~

    Representação: Em certos contextos, pode significar ume personagem, e/ou as mensagens que tal personagem passa para a audiência. Por exemplo, um personagem gay é representação gay. Por fazer o único (ou os únicos) personagem(ns) gay terem certa característica (gostar de moda, por exemplo), a representação diz que homens gay geralmente ou sempre possuem aquela característica.

    Queerbaiting: Um fenômeno na mídia aonde quem faz tal mídia tenta trazer certo público LGBTQIAP+ para sua mídia dando pistas de que certe(s) personagem(ns) é (são) LGBTQIAP+, quando, na verdade, não existe tal representação LGBTQIAP+. Por exemplo, uma amizade próxima de duas mulheres que dá ~pistas~ de ser um romance futuro, mas tal romance nunca acontece. Fãs LGBTQIAP+ ficam na expectativa, enquanto pessoas peri/cis/hétero podem ignorar tais pistas e deduzir que é só uma amizade.

    Headcanon (HC): Teoria pessoal sobre alguma mídia, ou no sentido de “eu queria que isso acontecesse” ou no sentido de “eu acho que isso é verdade”. É comum que pessoas LGBTQIAP+ tenham headcanons em relação às identidades de personagens, como “Pinkie Pie é pansexual” ou “Danny Fenton é um homem trans”. (É bom lembrar que afirmações como “Jughead é assexual” ou “Dio Brando é multi” não são headcanon, e sim canon, pois são confirmadas por autores.)

    MOGAI: Alternativa para LGBTQIAP+/queer; significa Marginalized Orientations, Gender Alignments, and Intersex; Orientações e Alinhamentos de Gênero Marginalizados e Intersexo.

    COGAP: Alternativa para peri/cis/hétero; significa Centered Orientations, Gender Alignments, and Perisex; Orientações e Alinhamentos de Gênero Centralizados e Perisexo.

    Queerfobia: Preconceito contra todas as identidades LGBTQIAP+ (que divergem das normas de gênero, sexo e orientação impostas pela sociedade). Alternativa um pouco melhor a LGBTfobia.

    (Favor lembrar que estes termos genéricos nem sempre são adequados. Mulheres trans sendo mortas não é uma “questão LGBT” e nem queerfobia, é apenas transmisoginia. Monossexismo não é uma “questão que afeta pessoas MOGAI”, é uma questão que afeta pessoas cujas orientações não podem ser descritas como monossexuais, como pessoas assexuais ou birromânticas.)

    if you are afraid ⁕ come out
    if you are awake ⁕ come out
    COME OUT AND LEVEL UP

    • Este tópico foi modificado 3 semanas, 1 dia atrás por  Tath.
    #2518 Quote

    Tath
    • ed/eld/e
    • -/éli/e

    Mestre

    Atualização com mais expressões, principalmente na área de sexo e gênero.

    if you are afraid ⁕ come out
    if you are awake ⁕ come out
    COME OUT AND LEVEL UP

Visualizando 2 posts - 1 até 2 (de 2 do total)

Você deve fazer login para responder a este tópico.