como provar gênero sem empurrar gente pra baixo do ônibus?

Início Fóruns Comunidade Opressões como provar gênero sem empurrar gente pra baixo do ônibus?

Este tópico contém respostas, possui 5 vozes e foi atualizado pela última vez por  Mimi 3 meses, 3 semanas atrás.

Visualizando 12 posts - 1 até 12 (de 12 do total)
  • Autor
    Posts
  • #2034 Quote

    Mimi
    • -/ély/y
    • i/éli/i

    Participante

    tem gente que acha difícil aceitar gênero só por aceitar…

    só que não adianta dizer que me visto de certa forma para ser visty como de certo gênero, ou que ajo de certa forma por ser trans/nb… porque isso invalida pessoas do mesmo gênero ou na mesma situação que não fazem as mesmas coisas, ou invalida pessoas de outros gêneros/situações que fazem as mesmas coisas…

    como faz

    m i m i
    (não há aprendizado sem dor.)

    #2036 Quote

    MEME LORD
    • o/ele/o
    • o/êlu/u

    Participante

    Eu não consigo pensar em nada fora só falar do gênero, pronomes e já era.

    THIS IS THE FUTURE LIBERALS WANT

    #2086 Quote

    Mimi
    • -/ély/y
    • i/éli/i

    Participante

    yeah… isso é realmente uma ideia, o problema é que é difícil acreditarem em uma pessoa nb só por conta disso

    m i m i
    (não há aprendizado sem dor.)

    #2104 Quote

    Tath
    • ed/eld/e
    • -/éli/e

    Mestre

    O problema é que não adianta definir gênero por genitália, disforia, gostos ou comportamentos, porque aí sempre vão ter exceções.

    Daí, se você define gênero dizendo que é uma categoria social, que evoluiu durante séculos (e até milênios), e que tem a ver com a comparação de seu gênero com os outros… não querem mais saber, é algo complexo demais, ou inventado, e por que não deixamos a pobre pessoa em paz??? /s

    Eu uso a técnica da insistência e de ser passive-agressive. Dou cortadas quando tenho oportunidade, e insisto em dizer que sou não-binárie e que tenho certa linguagem (quase) toda vez que erram.

    if you are afraid ⁕ come out
    if you are awake ⁕ come out
    COME OUT AND LEVEL UP

    #2119 Quote

    Mimi
    • -/ély/y
    • i/éli/i

    Participante

    é, pode ser boa ideia… pena que não tem como fazer isso de forma mais subjetiva

    m i m i
    (não há aprendizado sem dor.)

    #3007 Quote

    [email protected]

      Participante

      Não dá pra provar, não existem fórmulas.

      Sem usar biologia, corpo, comportamento, estereótipos, expressão de gênero, crenças, religião, papéis de gênero, etc…

      a única conclusão que eu consigo tirar é que as pessoas se identificam como gêneros ou não, porque elas querem pertencer a estes grupos ou gostam dos rótulos (é como se identidade de gênero fosse “qual o pronome que tu prefere que eu use com vc agora?”)

      Vc é um homem se vc pensar que é ou falar que é, penso logo sou.

      #3028 Quote

      QueerNeko
      • a/ela/a
      • e/elu/e

      Mestre

      A própria definição acadêmica de gênero inclui a definição social e cultural de papéis sociais (que podem se basear em características sexuais) e também a identidade de gênero, então é claro que não dá pra definir gênero sem citar qualquer dessas coisas.

      Não acho que o caminho certo é tentar provar que “gênero existe”, porque não é uma coisa física ou tangível para as pessoas, ou pelo menos, não é num sentido muito óbvio. Porque gênero é uma questão mais epistemológica (como a teoria queer diz). A sociedade primeiro constrói gênero como uma classificação e divisão de corpos, que a sociedade ocidental costuma dividir entre “mulher” e “homem”, todas as normas sociais vêm em seguida, que pode variar bastante de cultura pra cultura.

      A definição que eu recentemente ouvi e que eu gosto bastante, é que ser uma pessoa não-binária é uma questão da impossibilidade (ou dificuldade) de viver honestamente ou autenticamente ou de forma mentalmente saudável, dentro das normas sociais e culturais binárias da sociedade. Essa definição eu acho bastante interessante porque ela coloca uma visão cultural mais ampla ao invés de dizer apenas que “não é homem nem mulher”, e também permite entender que a definição de gênero varia com o tempo e cultura, e que pessoas não-binárias sempre existiram.

      Daí eu acho que dá pra partir para uma aproximação diferente. Assim que conseguimos mostrar que existem pessoas que não se sentem confortáveis com as normas binárias de gênero impostas pela sociedade, podemos ir na linha do “porquê que classificações de gêneros não-binários existem” ao invés de tentar provar “porquê gêneros existem”. Daí os motivos que podemos dar são muitos, as pessoas tentam classificar como se sentem a partir das classificações existem, como que suas experiências comparam com outras experiências de outras pessoas, então a necessidade aí está ligada a um auto-entendimento, mas além disso, serve para organização e compartilhamento de experiências entre outras pessoas. As pessoas podem externalizar, explicar e nomear suas experiências para outras pessoas, e isso é muito importante para a aceitação e compreensão de outras pessoas. Também serve para organização de movimentos identitários, para criar uma comunidade onde as pessoas podem se organizar e solicitar direitos e reconhecimento social, é uma reivindicação social.

      • Esta resposta foi modificada 4 meses atrás por  QueerNeko.
      #3038 Quote

      [email protected]

        Participante
        QueerNeko escreveu:

        A própria definição acadêmica de gênero inclui a definição social e cultural de papéis sociais (que podem se basear em características sexuais) e também a identidade de gênero, então é claro que não dá pra definir gênero sem citar qualquer dessas coisas.

        Não acho que o caminho certo é tentar provar que “gênero existe”, porque não é uma coisa física ou tangível para as pessoas, ou pelo menos, não é num sentido muito óbvio. Porque gênero é uma questão mais epistemológica (como a teoria queer diz). A sociedade primeiro constrói gênero como uma classificação e divisão de corpos, que a sociedade ocidental costuma dividir entre “mulher” e “homem”, todas as normas sociais vêm em seguida, que pode variar bastante de cultura pra cultura.

        A definição que eu recentemente ouvi e que eu gosto bastante, é que ser uma pessoa não-binária é uma questão da impossibilidade (ou dificuldade) de viver honestamente ou autenticamente ou de forma mentalmente saudável, dentro das normas sociais e culturais binárias da sociedade. Essa definição eu acho bastante interessante porque ela coloca uma visão cultural mais ampla ao invés de dizer apenas que “não é homem nem mulher”, e também permite entender que a definição de gênero varia com o tempo e cultura, e que pessoas não-binárias sempre existiram.

        Daí eu acho que dá pra partir para uma aproximação diferente. Assim que conseguimos mostrar que existem pessoas que não se sentem confortáveis com as normas binárias de gênero impostas pela sociedade, podemos ir na linha do “porquê que classificações de gêneros não-binários existem” ao invés de tentar provar “porquê gêneros existem”. Daí os motivos que podemos dar são muitos, as pessoas tentam classificar como se sentem a partir das classificações existem, como que suas experiências comparam com outras experiências de outras pessoas, então a necessidade aí está ligada a um auto-entendimento, mas além disso, serve para organização e compartilhamento de experiências entre outras pessoas. As pessoas podem externalizar, explicar e nomear suas experiências para outras pessoas, e isso é muito importante para a aceitação e compreensão de outras pessoas. Também serve para organização de movimentos identitários, para criar uma comunidade onde as pessoas podem se organizar e solicitar direitos e reconhecimento social, é uma reivindicação social.

        O pessoal gncGender Non-Conforming: Alguém que não "se conforma" com seu gênero, utilizando uma expressão diferente da esperada para seu gênero (como um homem que gosta de usar vestidos e maquiagem). Normalmente a expressão é aplicada para pessoas binárias, especialmente cis, mas pessoas trans binárias ... também tem dificuldade de e se encaixar neste cistema doentio, e estas pessoas se identificam como homens ou mulheres. Será que só identificam assim por pressão social ?
        Já conheci pessoas que se identificavam como nb ou homem por causa do machismo. As vezes me pergunto se as tomboys/gurias/bofinhos por aí e os sissies também não virariam nbs se não fossem as pressões sociais.

        #3043 Quote

        Tath
        • ed/eld/e
        • -/éli/e

        Mestre

        Pessoas podem sim estar se encaixando em identidades que não são completamente confortáveis por causa do estigma, ou até mesmo por não terem ideia de que existem outras opções, mas também podem simplesmente se ver como pessoas binárias que não obedecem aos estereótipos relacionados a seus gêneros.

        O que é mais importante é respeitar o processo de descoberta de cada pessoa. Se alguém se vê como homem afeminado, depois como travesti, depois como mulher trans e depois como gênero-fluido, é importante não duvidar da pessoa em qualquer estágio que ela esteja. Se uma pessoa sempre se vê como homem afeminado, é importante respeitar sua identidade ainda que muitos homens afeminados tenham se descoberto travestis, mulheres trans ou pessoas não-binárias depois de certo tempo.

        if you are afraid ⁕ come out
        if you are awake ⁕ come out
        COME OUT AND LEVEL UP

        #3060 Quote

        [email protected]

          Participante

          Certo, mas gente como vcs justificam o id de gênero de vocês então ? eu até hj não descobri o que me difere de homens e mulheres gncGender Non-Conforming: Alguém que não "se conforma" com seu gênero, utilizando uma expressão diferente da esperada para seu gênero (como um homem que gosta de usar vestidos e maquiagem). Normalmente a expressão é aplicada para pessoas binárias, especialmente cis, mas pessoas trans binárias .... Acho que só as palavras mesmo, mulher e homem soam estranho.

          #3076 Quote

          Tath
          • ed/eld/e
          • -/éli/e

          Mestre

          Eu geralmente não falo detalhes do meu gênero para quem não consegue entender as abstrações de gênero. Digo que sou não-binárie, que meu final de palavra é e e que podem usar pronome eld, éli ou elx (muitas vezes falo só de um pronome ou dois), e que não devem se referir a mim como mulher, homem, algo entre esses, ou sem gênero sob qualquer circunstância. Às vezes, posso falar que sou disfórique e que me maldenominar prejudica bastante minha saúde mental.

          Para quem entende mais do que isso, posso falar detalhes, assim como qualquer pessoa que escolhe um rótulo – ou não ter rótulos – geralmente sabe dizer porque é X e não é Y ou Z. Muitas vezes, porém, tem gente que não sabe dizer, que só dizem que “é o que encaixa” e pronto. E consigo entender totalmente como alguém não consegue explicar, especialmente em relação a identidades mais complexas.

          if you are afraid ⁕ come out
          if you are awake ⁕ come out
          COME OUT AND LEVEL UP

          #3106 Quote

          Mimi
          • -/ély/y
          • i/éli/i

          Participante

          @queerneko, entendo seu ponto e realmente concordo, mas acho que na prática ele não é muito útil, a não ser que a pessoa já tenha uma aceitação melhor de pessoas não-binárias, e nesse caso não precisa justificar muito…

          m i m i
          (não há aprendizado sem dor.)

        Visualizando 12 posts - 1 até 12 (de 12 do total)

        Você deve fazer login para responder a este tópico.